segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

BONDADE X AMOR DESPERDIÇADO


É um tema bem controverso. Está na categoria “assuntos que rendem tretas gigantescas”. É como vivenciar a cena de Pilatos perguntando a Jesus “O que é a Verdade?”.

__ Qual o seu conceito de “Bondade”?

Eu tinha um conceito de bondade, anos atrás, tendo por base o cristianismo (precisamente, o que aprendi na doutrina da ICAR – Igreja Católica Apostólica Romana). Jesus Cristo viveu para servir a humanidade pregando a renovação dos 10 mandamentos “Amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo”. E morreu para salvar a humanidade de seus pecados. O ensinamento que recebi foi este: bondade sempre, para com todos, sempre.

Como disse Joseph Joubert - Bondade é amar as pessoas mais do que elas merecem.

Tudo isso mudou quando conheci a Filosofia do Satanismo.

PARE! RESPIRE! CALMA! Aqui abordo o Satanismo não como religião, mas como filosofia. Encontramos no escrito de LaVey (tido como pai do Satanismo Moderno), precisamente na Bíblia Satânica (The Satanic Bible), que o conceito de bondade faz parte das Nove Afirmações Satânicas (precisamente a 4ª afirmação):

“Satan representa bondade a quem merece, ao invés de amor desperdiçado aos ingratos”.

Por muitos anos eu estudei a filosofia satânica. É uma das Sendas do Conhecimento Oculto que mais me marcaram (depois da Teosofia). Adentrar seus portais de percepção de mundo foi um giro duplo de olhar para dentro de mim e fora de mim.

A bondade é uma característica humana, embora a encontremos em algumas espécies de animais. É a ação de trazer algum tipo de benefício ao outro (seja por amor, proteção, fraternidade, filantropia em geral).

O Satanismo prega exercer absolutamente a humanidade. Ora, se a bondade é marcadamente uma característica humana, logo, está presente dentro de sua filosofia. Porém, ao contrario do que está presente na doutrina cristã, e em algumas outras doutrinas, a bondade é uma característica que exige primeiramente merecimento. Bondade em demasia pode tornar o ser humano um tipo de “escravo inconsciente”. Exemplo: um filho que adentra o vício das drogas é um fardo aos pais, que eles suportam em nome do amor ao mesmo. Todos os dias lemos nos noticiários viciados que matam seus parentes e companheiros/as para bancar o vício. De que adiantou dispensar tanto cuidado a um ser humano que não se importou com tamanho amor? Agora, se é um filho que adentrou o vício, mas que em determinado momento aceitou ter a ajuda dos pais para sair do vício, aí sim é o exercício da bondade absoluta: humildade de aceitar ajuda, e aos pais “trazer o benefício” de recuperar o filho dessa vida desgraçada.

Eu percebo essa escravidão nos relacionamentos diversos. Fazemos bem a uma pessoa em um relacionamento afetivo, mas quando não há reciprocidade, se torna submissão. E onde vemos isso? Em relacionamentos abusivos. No ambiente de trabalho, bondade é cooperar com a equipe de forma que todos sejam beneficiados. Mas e quando há alguém da equipe que claramente (ou discretamente) busca uma vantagem que compromete o rendimento do outro (ou dos outros)? Sabia que quem assume um cargo público, toma posse porque “vagou” em decorrência de exoneração/aposentadoria/falecimento de outra pessoa, que anteriormente ocupava a referida vaga?

Em outras palavras, bondade é agir em benefício do outro. Fazer o bem, nos faz bem. Mas o que pensar quando essa ação nos leva a uma “escravidão consciente”?

Reavalie sua bondade constantemente.
 
 

 
 

 

10 comentários:

  1. Esse texto me lembro daquela frase "bonzinho só se fode" hahaha.. vc parece ser uma pessoa que lê muito. Qual seu tema, estilo de leitura, assunto preferido? Fiquei curiosa agora. Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alcione, tudo o que está ligado as ciências humanas me atrai

      Excluir
  2. Seus textos são muito interessantes, refletem muito o seu conhecimento de causa, da gosto de ler! Vejo a bondade de forma clara, a bondade tem alma generosa e nobre, e acredito que só é possível quando é feita naturalmente. caso contrário é apenas uma tentativa de parecer uma pessoa boa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito! Belo texto! A gente tem que está se avaliando constantemente com certeza.

    ResponderExcluir
  4. Adoreiiiii esse texto, temos que avaliar sempre a bondade,as vezes somos bons e só nos ferramos!!! Somos bons e as pessoas se aproveitam....é difícil ser bom hoje em dia, de verdade...

    ResponderExcluir
  5. Gostei amei adorei realmente temos que pencar nisto
    Beijos gata

    ResponderExcluir
  6. Que belo texto! Você escreve muito bem e arrasa nos textos todas as vezes que venho visitar seu blog

    ResponderExcluir
  7. O seu posicionamento é bastante pertinente e trás certa reflexão. Dependendo da base filosófica, pode-se discutir esse assuntos de outras maneiras também. Por exemplo, considerando que nenhuma característica ou traço (da personalidade) faz parte da essência humana e que essas características são construídas sócio-historicamente, o que permite considerar a possibilidade de mudança. Enfim, creio que é algo que renderia uma boa discussão. ^^

    ResponderExcluir
  8. Texto belo, para refletir mesmo! Muito difícil encontrarmos pessoas boas hoje em dia, já que quando se é bom, acontece naturalmente.
    Bjo

    ResponderExcluir