quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

FRAGILIDADE E FRAQUEZA


A passagem dos dias nos permite semear as mais diversas colheitas, advindos da fraqueza ou da fragilidade. Essas palavras parecem sinônimas – e até mesmo a maioria dos dicionários confirmam isso – mas fazendo uma análise profunda, não são. Aliás, são como o ying e o yang. Deve ser por isso que as pessoas acham a mesma coisa.
A fragilidade pode ser um tipo de força. As pessoas frágeis reagem imediatamente às situações. Li uma vez que “se a mulher soubesse que sua força está na fragilidade, dominaria o mundo”. Fragilidade permite sentir para entender. Entender para lidar. E julgar se causa benefício ou mal. Exemplo: crianças até os 7 anos possuem uma fragilidade que permite identificar se a pessoa tem a índole ruim ou boa. Quantas vezes não vemos crianças reagirem com rispidez quando conhecem alguém? Porém, se deixam levar por pessoas que justamente apresentam o que lhes satisfazem sentimentalmente. São sensíveis à boa parte das seduções. Outro exemplo: as mulheres que se entregam de corpo e alma já no início de uma relação afetiva. Acabam por serem “esponjas” a toda influência de seu companheiro – é aquela situação em que a mulher se deixa fazer de “gato e sapato”. Por outro lado, uma mulher frágil sabe entender as carências de seu companheiro, e se mostra receptiva a seguir ao lado dele para vencer tudo o que dificulta sua felicidade.
A fraqueza se alimenta de qualquer resistência baixa que apresentamos. Se quisermos desistir, a fraqueza é aquela voz fantasma que diz “isso... desista... desista... desista mesmo”. A base da fraqueza é o desânimo, que causa um tipo de “cegueira”: a fragilidade abre as portas da percepção – a fraqueza fecha todos os canais que puder. Além da fraqueza se alimentar de nossa resistência baixa, reforça nossos vícios, um a um, até que a pessoa não tenha mais capacidade de se defender. É a morte em doses em doses mínimas. É o “cabresto” do cavalo.
Observe sua fragilidade e fraqueza. Fragilidade é algo inevitável, mas a fraqueza pode ser controlada. São características intrínsecas da personalidade, e precisam estar em equilíbrio. E só observando a nós mesmo conseguimos alcançar esse objetivo.
 
 

 
 
 
 
 

3 comentários:

  1. The post is so amazing! Loving your blog:)

    irinathayer.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei a frase: “se a mulher soubesse que sua força está na fragilidade, dominaria o mundo”. Acho que é algo bem próximo disso, viu! Fragilidade e fraqueza são bem diferentes, como você disse, apesar das pessoas pensarem que são sinônimos. As mulheres por serem frágeis (de forma geral) são vistas como fracas e isso é um erro horrível. E concordo quando você diz que a fragilidade é inevitável, mas que a fraqueza pode ser controlada. Acho que nessa hora ter um bom auto-conhecimento e auto-controle ajuda bastante...

    Ah! Não tem muito tempo que acompanho o seu blog, mas já consegui notar a evolução na sua escrita de um textos para cá! Cada vez mais gosto de visitar o seu blog! Parabéns!

    ResponderExcluir